segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Lara

Amarelo ouro.

Lara, o Leandro me escreveu o seguinte hoje:
"Meu caro, a Larinha deve sair da UTI amanhã. Estamos contando com isso e eu já tô querendo uma vaga na agenda de visitas dela. Abração!"

***
Ótima notícia pra nós, querida, muito obrigado.

Agora que já abaixou as páginas de direito civil, só falta aquele sorriso bonito que eu pedi, que é pro presente ficar completo. E pra não dizer que eu sou tão egoísta assim, depois, no meu aniversário, você pode pedir o que quiser, tudo bem?

Isso que o Leandro falou de "querendo uma vaga na agenda de visitas dela" é engraçado, porque eu acho que vai ser uma das vagas mais disputadas que já houve em matéria de visitas em hospitais.

Acho até que vai ter gente dormindo na fila e cambista vendendo ingresso no portão de entrada.

É que você é meio que uma versão feminina do Ferris Bueller, Lara, de quem todo mundo quer ser amigo e fazer alguma coisa pra ajudar quando ele fica doente.
"Save Ferris/Save Lara".

Pois é, ser uma pessoa muito maneira dá nisso.
Abre uma "fenda de bacanice no universo".

Uma pena que eu ainda não esteja aí, porque gostaria imensamente de garantir minha vaga também e vê-la o quanto antes. Mas sei que quando finalmente estivermos juntos (logo, logo, agora em outubro) você já estará ótima e vamos comemorar muito essa sua recuperação heróica.

Continue forte e melhorando, querida.
Aguardando ansioso aquele sorriso.
Beijo.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Lara

Amarelo ouro.

Isso foi há mais de cinco anos e ainda consigo ouvir nitidamente sua voz, Lara, reclamando naquele tom de molecagem por eu te apontar uma câmera sem a sua permissão. Foram tempos difíceis aqueles, você sabe, mas nada que se compare a estes últimos dias.

Bom, hoje é seu aniversário e, embora eu não dê a mínima pra essas coisas, sei bem que é algo importante pra você. E mesmo assim, como eu sou um egoísta-filha-da-puta, não só não vou te dar porcaria nenhuma como vou te exigir um presente: que você volte logo, querida, que pare com esse charme, abaixe essas páginas de direito civil (ou seja lá que outro ramo inútil e tedioso do direito você estava segurando naquele dia) e deixe a gente ver esse seu sorriso bonito logo, sim?!

Amanhã a Mariana vai te fazer uma visita e levar todo o nosso amor por você. Mande-me boas notícias dizendo que logo poderei tirar muitas outras fotos suas, ou que terei que tirar sem permissão mesmo, enquanto você reclama naquele tom de molecagem...

Acorde logo, querida, estamos todos muito ansiosos.
Um beijo carinhoso.

sábado, 26 de agosto de 2017

Far from any road

Música: Far from any road
Autor: Handsome Family
Álbum: Singing Bones (2003)

Uma bela canção de um disco altamente recomendável!

***

Rusty Cohle. O cara.

Uma das melhores séries já feitas.
Um dos melhores personagens já criados.
E, com toda certeza, um dos melhores temas de abertura:

True Detective - Season One (2014)

***

"...to watch the cactus bloom..."

***
"And the stars will be your eyes
And the wind will be my hands."

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Ah...

...eu vou correr pro abraço.

Correr pro abraço - Gabriel o Pensador
Álbum: Sem crise (2012)

domingo, 2 de julho de 2017

Histórias extraordinárias

"O que vejo, o que sou e suponho
será apenas um sonho num sonho?"
(Edgar Allan Poe)

***

“A verdadeira infelicidade – o supremo infortúnio – é, na verdade, particular. É o sofrimento bem perto. De um só conhecido. Os extremos medonhos da agonia são sofridos pelo homem isoladamente, e nunca pelo homem na multidão.”

“Todos nós sabemos que os indivíduos dotados de boas qualidades mentais são dotados também de um espírito fascinado pela análise. Assim como o homem fisicamente forte se delicia com exercícios que põem seus músculos em ação, o homem bem-dotado de inteligência gosta da atividade mental. Esta lhe traz um prazer imenso. Analisa, soluciona problemas, resolve enigmas. Decifra mistérios. Sabe encontrar prazer nas ocupações mais comuns, desde que ponham em jogo o seu talento.”

“É essencial saber o que se deve observar.”

“Olhar de muito perto prejudica a visão. E a verdade nem sempre está no fundo do poço. Com uma profundidade indevida, perturbamos e debilitamos os nossos pensamentos.”

“...bailando acordes dementes...”

“Mas não tentarei convencer ninguém, nem discutirei a respeito do que creio. Creio. E basta.

“Enquanto isso, minha própria doença tomara rapidamente conta de mim. Não havia remédio para a cura. O mal se agravava, dia a dia. Para lhes dar uma ideia do que era, tento explicar. Não sei se chegarão a entender. Mas começava com um aumento nervoso da intensidade do interesse por determinada coisa. O mesmo objeto ocupava sozinho a minha mente. E eu desenvolvia em torno dele toda espécie de ocupação. Era o meu centro. Uma ideia fixa. Monomania, conforme dizem os médicos. Às vezes, ou quase sempre, uma tolice. Um desenho sobre a margem da página. Ou o texto de um livro. Uma sombra, uma mancha de formato curioso sobre o tapete ou no assoalho... Coisas assim tomavam-me horas, dias, o tempo todo de meditação, de cogitações... A chama de uma lâmpada, as brasas de uma lareira, o perfume de uma flor tomavam-me uma noite ou um dia inteiro. Uma palavra comum ficava na minha mente até que o som deixasse de me transmitir ao espírito qualquer ideia com sentido, tantas eram as repetições. Nesse tempo, eu me mantinha em absoluta imobilidade corporal. Totalmente paralisado.

Quero que entendam que essa anormal, intensa e mórbida atenção, assim despertada por objetos triviais, não deve ser confundida com a tendência à meditação, comum a toda a humanidade. E a que se entregam pessoas de imaginação muito viva. No meu caso, o objeto frívolo tomava o centro de meu interesse sem que das minhas reflexões sobre ele eu chegasse a alguma dedução ou resultado prático, importante ou real. Essas meditações nem eram agradáveis. Eu prestava atenção à coisa. Não estudava. Não especulava, como faz o estudioso ou o simples sonhador. Aquela era a característica principal de minha doença. Minhas investigações, mesmo através das leituras, eram trabalhosas, porém infrutíferas.

Nunca aposte sua cabeça com o diabo.”

“Contanto que seja pessoalmente pura a moral de um autor, nada significa a moral de seus livros. Achamos, porém, que toda obra de ficção deveria ter uma moral. E parece que os críticos já descobriram que toda ficção a tem. Cada livro, um objetivo, uma intenção, uma lição. Uma mensagem. Na verdade, repassando os livros que desafiaram o tempo – aqueles que são sempre atuais -, fica provado que nenhum homem pode sentar-se pra escrever sem um autêntico e profundo objetivo. Um verdadeiro romancista não precisa ter cuidados com a sua moral. Ela está ali. Em alguma parte. No tempo próprio ela aparecerá. Virá à luz tudo o que ele tencionava dizer, tudo o que não tencionava, juntamente com tudo aquilo que ele deveria ter tencionado. E o resto, que ele claramente pretendia tencionar. Assim sendo, tudo dará certo, no fim.”


“As coisas que não consigo explicar sempre me aborrecem.”


“Reguei seu túmulo com minhas lágrimas. Gravei uma barra sinistra em seu brasão de família. Quanto às despesas do funeral, mandei a conta aos transcendentalistas. Recusaram-se a pagá-la. Desse modo, tive de desenterrar imediatamente o Sr. Dammit. E vendi-o para comida de cachorro.”


“O pequeno vagabundo alado...”

***

(Edgar Allan Poe - Histórias Extraordinárias)

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Música Salva! (28) - Seven days in sunny june

Se ainda é junho e se houve sol nos últimos sete dias seguidos, meu chapa, então não tem jeito, a rolha da celebração vai estourar fazendo um barulho só:
"Jamiroquai".

Jamiroquai - Seven days in sunny june

***
O mesmo Jamiroquai que há um bom tempo sabe como animar uma festa e despertar em nós humanos aquela vontade ocasional de morar em um videoclipe.

Porque a única forma decente de se receber o catchup em uma festa é pelo disk-helicóptero-seu-catchup-levado-a-sério.

Porque, independente do tempo que venha a partir de amanhã, por sete dias em um junho ensolarado não estivemos sós.

***

 "The pebbles you've arranged"

***
 "Drinking wine and killing time"

***
  "Sitting in the summer sun"

***
 "Why'd you have to drop that bomb on me?"

***
"Lazy days, crazy dolls"

***
 "The honeysuckle bless"

***
"For seven days in june I wasn't lonely"

***

Porque todos merecem um pouco de sol,

álcool,

piscina,

 e, claro, catchup.

***

"So baby let's get it on"
Oh lord, have mercy.

domingo, 25 de junho de 2017

O coração das trevas

o barco
"meu coração não aguenta"

***

“Nada em todo o rio parecia mais náutico.”

“...o segredo de todo um continente...”

“Eram bastante homens para enfrentar as trevas.”

“O que nos salva é a eficiência: a devoção à eficiência.”

“Ora, quando eu era menino, tinha paixão por mapas. Ficava horas olhando a América do Sul, ou a África, ou a Austrália, e me perdia em todas as glórias da exploração. Naquele tempo havia muitos espaços vazios na terra e, quando eu via um que parecia particularmente convidativo num mapa (embora todos pareçam), punha o dedo em cima e dizia: Quando eu crescer, irei lá. Lembro-me que o Polo Norte era um desses lugares. Bem, não estive lá ainda, e agora não tentarei mais. O encanto acabou. Outros lugares espalhavam-se pelo equador, e por tudo que era latitude nos dois hemisférios. Estive em alguns deles, e... bem, não vamos falar disso. Mas ainda havia um... o maior, o mais vazio, por assim dizer... pelo qual eu suspirava.”

“Era como uma fatigada peregrinação por entre sugestões de pesadelos...”

“Havia naquele posto uma atmosfera de conspiração, mas nada resultava, claro. Era tão irreal quanto tudo mais – como a falsa filantropia de toda empresa, como a conversa deles, como o governo deles, como a exibição de trabalho que faziam.”

“...o silêncio da terra chegava ao próprio coração da gente.”

“- ...Não, é impossível; é impossível transmitir a sensação viva de qualquer época de nossa existência... o que constitui a verdade, o seu significado... sua sutil e penetrante essência. É impossível. Vivemos, como sonhamos... sós...

“O barco ressoava, sob meus pés, como uma lata vazia de biscoitos Huntley & Palmer chutada numa sarjeta; não era uma fabricação tão sólida, e tinha formas bem menos bonitas, mas eu despendera muito trabalho duro nele para não amá-lo.

“Preferia mandriar por aí e pensar em todas as belas coisas que se podem fazer. Não gosto do trabalho – nenhum homem gosta – mas gosto do que há no trabalho – a oportunidade de nos descobrir. Nossa própria realidade – para nós, não para os outros – o que nenhum homem pode saber. Os outros podem apenas ver o espetáculo, mas nunca vão saber o que ele realmente significa.”

“E na verdade que importa o preço se o truque é bem feito?”

“Evidentemente, um tolo, em parte por puro medo e em parte por boas intenções, está sempre a salvo.”

“Boas intenções, dizem vocês? Ao diabo com as boas intenções! Eu não tinha tempo.”

“...num canto escuro, e, através da porta, percebi um livro. Estava sem capa, e as páginas haviam sido manuseadas até se tornarem de uma fragilidade extremamente suja; mas a lombada fora amorosamente recosturada com fio de algodão branco, que ainda parecia limpo. Era uma descoberta extraordinária. Intitulava-se: Investigação sobre Alguns Pontos do Ofício de Marinheiro, de um certo Towser, Towson – um nome assim – comandante da Marinha de Sua Majestade. O assunto parecia leitura bastante chata, com diagramas ilustrativos e repulsivas tabelas de números, e o exemplar tinha sessenta anos. Manuseei aquela surpreendente antiguidade com a maior ternura possível, para que não se desintegrasse em minhas mãos. Lá dentro, Towson ou Towser investigava seriamente a tensão de ruptura das correntes e cordame de navios, e outros assuntos que tais. Um livro não muito emocionante; mas à primeira vista podia-se ver uma uniformidade de propósito, uma preocupação honesta com o modo certo de fazer as coisas, que tornavam aquelas páginas humildes, apesar de tantos anos passados, luminosas com uma luz outra além da profissional. O simples marinheiro velho com sua conversa sobre correntes e compras, fez-me esquecer a selva e os peregrinos, numa deliciosa sensação de ter encontrado alguma coisa inequivocadamente real. Um livro daquele já era maravilhoso; mas ainda mais espantosas eram as anotações escrevinhadas nas margens, e visivelmente referentes ao texto. Eu não podia acreditar no que via! Estavam em código! Sim, parecia código. Imagine um homem carregando consigo um livro desse tipo para aqueles confins, e estudando-o – e fazendo anotações -, e ainda por cima em código! Era um mistério extravagante!

“Enfiei o livro no bolso. Garanto a vocês que abandonar a leitura foi como arrancar-me do abrigo de uma velha e sólida amizade.

“...mas, antes que pudesse chegar a alguma conclusão, ocorreu-me que minha fala ou meu silêncio, na verdade qualquer ação minha, seria uma mera futilidade. Que importava o que qualquer um sabia ou ignorava? [...] Os pontos essenciais daquele caso jaziam muito abaixo da superfície, além do meu alcance e de meu poder de intrujice.”

“Mesmo o extremo sofrimento pode em última instância explodir em violência – embora mais geralmente assuma a forma de apatia...”

“...estava escrito que eu seria leal ao pesadelo de minha escolha.

“Coisa esquisita é a vida – esse misterioso arranjo de lógica cruel para um objetivo fútil.

“...uma colheita de inextinguíveis arrependimentos.”

“Vi-me de volta à cidade sepulcral, ressentindo-me da visão das pessoas andando apressadas pelas ruas para roubar um dinheirinho umas das outras, devorar suas infames comidas, engolir sua cerveja insalubre, sonhar seus sonhos insignificantes e tolos. Elas invadiam meus pensamentos. Não passavam de intrusas cujo conhecimento da vida era para mim uma impostura irritante, porque eu tinha toda certeza de que não podiam conhecer as coisas de que eu conhecia. O andar delas, simplesmente o andar de indivíduos vulgares tratando de seus negócios, certos de uma perfeita segurança, era ofensivo como o ultrajante pavonear-se da loucura diante de um perigo que é incapaz de compreender. Eu não tinha qualquer desejo particular de esclarecê-las, mas sentia certa dificuldade para impedir-me de rir na cara delas, tão cheias de estúpida importância. Eu diria que não andava muito bem nessa época. Vagava pelas ruas – tinha casos sérios a resolver – sorrindo perversamente de pessoas inteiramente respeitáveis. Admito que meu comportamento era inexcusável, mas também minha temperatura raramente se mostrava normal nesses dias."

***

 (Joseph Conrad - O coração das trevas)

***

Caetano Veloso - Os Argonautas

***
o porto: não.
o porto: nada.
o porto: silêncio.

***

"...o barulho do meu dente em tua veia..."

terça-feira, 20 de junho de 2017

Inconspícuo - 04

Inconspícuo - 04
(Ou côcô-amarelo-submarino, como queira.)

***

Porque foi feito pra boiar, mas, com um pouquinho de tecnologia...

***

Sorry, we all live in.

***

segunda-feira, 19 de junho de 2017

E ponto.

Ponto. Entrada.

Então você chega ao trabalho em uma segunda-feira pelancuda de chuva e eles brindam o início de mais uma jornada semanal com a instituição do ponto eletrônico.

Hurray!

Tudo bem, chefe, nós superamos tudo, mas, além do ponto, vou registrar o seguinte:
covardia tem limite!

***

E se por acaso você voltar pra casa compreensivelmente angustiado sobre como preencher tantos minutos minutados por dia (os minutos já são normalmente lentos, mas, quando minutados, podem bem, só de implicância, se tornarem eternos), tente espairecer e deixe um livro de estimação te fazer um carinho.

Um livro de estimação e de nome sugestivo, algo como "Vida no Inferno", por exemplo.


Depois abra em uma página qualquer, implorando aos deuses por um "minuto de sabedoria" (sacou?! "minuto").

Se você for bonzinho como a maioria ou digno de pena como eu, talvez os deuses acolham sua causa e te mandem um sinal:

"COMO MATAR 8 HORAS POR DIA E AINDA MANTER SEU EMPREGO"

Apenas dicas básicas, porém extremamente úteis, de sobrevivência no ambiente hostil de trabalho.

Só que, tristemente, você descobre que desde 1982, um cara bastante mais esperto do que a média - e hoje absurdamente mais rico - já padecia das mesmas angústias. E talvez você estranhe um pouco o fato de mesmo depois de 3 décadas essas dicas ainda parecerem tão úteis e necessárias.

E, tristemente, você prevê que as dicas continuarão sendo úteis e necessárias ainda por algumas décadas, enquanto os donos da bola não entenderem que o controle é uma tática dos burros, e que quanto mais controle mais tempo um funcionário perde tentando descobrir formas de burlá-lo e, por óbvio, menos tempo passa trabalhando.

É lógico. É simples. É claro.

***

Bom, dentre as minhas dicas preferidas, destaco a do porco, porque "porco" é um animal que combina - pra burro - com esse tema:


***

Mas cuidado, o aviso no canto superior direito da página já previne:
"Se você xerocar isto e colar no quadro de avisos da empresa está ferrado".

Mas te garanto o meu respeito eterno.
Ou, no mínimo, pela eternidade do próximo minuto.

Abrindo contagem:
1, 2, 3, 4...

***

Valeu, Matt Groening!

***

Ponto. Saída.

domingo, 4 de junho de 2017

Cryin'

Clapton.

"uhumhum, uhum, uhum, uhum, uhum, uhuhum, uhum, uhum, uhum, uhum"

***

 Música: Cryin'
Autor: Eric Clapton
Álbum: Blues (1999)